domingo, 19 de novembro de 2017

Orientalismo

Imagem Semanal: Orientalismo


Orientalismo é um gênero de pintura realizada por artistas do Ocidente com temas da cultura, história e costumes orientais. Apareceu em várias fases da história da arte, mas teve seu ápice no século XIX especialmente na França e Inglaterra.





Gentile Bellini (1429-1507)  Portrait of Sultan Mehmed II (1480) National Gallery, Londres.

Rembrandt (1606-1669) Man in Oriental Costume. The Noble Slav, 1632. Metropolitan Museum of Art, Nova York.


Antoine-Jean Gros (1771-1835) Napoleon in the Plague House at Jaffa, 1804. Museu do Louvre, Paris.

Anne Louis Girodet-Trioson (1767–1824) Study for "Portrait of an Indian, 1807. Metropolitan Museum of Art, Nova York.


Horace Vernet (1789-1863) The Arab Tale Teller, 1833.


Eugéne Delacroix (1798-1863) The Natchez, 1835. Metropolitan Museum of Art, Nova York. 


Théodore Chassériaux (1819-1856)  Scene in the Jewis Quarter of Constantine,1846. Metropolitam Museum of Art, Nova York


Jean-Léon Gérôme (1824-1904)  Women Feeding Pigeons at Courtyard,s.d. Coleção particular.

Jean Discart (1856-1944) L'Atelier de Poterie, Tanger, 1856. Coleção particular.

William Holman Hunt (1827-1910) The Fiavior in the Temple, 1860. Birminghan Museum.


Jean-Auguste-Dominique Ingres (1780-1867) The Turkish Bath, 1863. Museu do Louvre, Paris.


John Frederick Lewis (1804-1876) Study for Courtyard of the Coptic Patriarch's Home in Cairo, 1864. Tate Gallery, Londres.


Jean-Léon Gérôme (1824–1904) Prayer in the Mosque, 1871. Metropolitan Museum of Art, Nova York.


Jean-Léon Gérôme (1824-1904) The Snake Chamer, 1879. The Clark Art Institute.

Charles Sprague Pearce (1851–1914) The Arab Jeweler, 1882. Metropolitan Museum of Art, Nova York.

Juan Giménez Martín (1858-1901)The Sultan’s Favorite, s.d. Flager Museum.

Edwin Lord Weeks (1849-1903) The Hour of Prayer at Multi-Mushid (Pearl Mosque), 1889 Hermitage Museum.

Ludwig Deutsch (1885-1935) The Koran School, 1905.



August John (1878-1961)   T.E. Lawrence, 1919. Tate Gallery, Londres.


Claudio Bravo (1936-2011)   Padre e Hijo, 2001.

Ofélia


Imagem Semanal: Ofélia


O tema Ofélia foi abordado ricamente pelos pintores Pré-Rafaelitas.

 Hamlet descobre que o seu tio, Cláudio, casado com a sua mãe, Gertrude, logo após a morte do seu pai, foi na realidade o autor dessa morte. A revelação do 
assassínio é feita Hamlet pelo fantasma do pai quando Cláudio  tinha usurpado o trono do irmão. A culpa de Cláudio é transmitida ao público indiretamente, através de Hamlet, que partilha a verdade com o seu companheiro Horácio Atormentado pelo conhecimento dos fatos e desconfiado de todos à sua volta,
 Hamlet acaba por causar a morte da sua amada Ofélia e de seu pai, Polónio. A hostilidade de Hamlet desencadeia uma outra vingança: Laertes,irmão de Ofélia, associa-se a Cláudio para vingar a morte do pai e da irmã.
Ofélia morreu afogada, num provável suicídio. A bela Ofélia, que amava Hamlet, vê-se privada do seu amor, passa a dar mostras de loucura após a morte do seu pai, Polónio, que fora assassinado por Hamlet. Enquanto Ofélia enlouquece, Hamlet apenas finge perder o juízo para conseguir vingar a morte do falecido Rei Hamlet, seu pai; e a sua melancolia forjada atinge tal grau que o leva a divagar sobre o suicídio.
Hamlet é uma tragédia de William Shakespeare.




Benjamin West (1738-1820)  Ophelia and Laerte, 1792. Cincinnati Art Museum.


Richard Redgrave (1804-1888) Ophelia Weaving Her Garlands, 1842. Victoria and Albert Museum, Londres.



Ferdinand Victor Eugene Delacroix (1798-1863) The Death Of Ophelia,1844. Museu do Louvre, Paris.

John Everett Millais (1829-1896)  Ophelia, 1851, Tate Gallery, Londres.


John Everett Millais (1829-1896) Study for the painting Ophelia, 1851.


Arthur Hugues (1832-1915) Ophelia, 1852.




Paul Delaroche (1797-1856) The Young Martyr/Ophelia, 1855. Museu do Louvre, Paris.


Dante Gabriel Rosseti (1828-1882) Hamlet and Ophelia, 1858.  British Museum, Londres.


Arthur Hughes (1832-1915) Ophelia,1863. Ashmolean Museum of Art and Archaeology  University of Oxford.


Auguste Préault (1809-1879) Ophelia 1876. Musée d'Orsay, Paris.


Jean-Baptiste Bertrand (1823-1887) Ophelia. Coleção particular.

domingo, 5 de novembro de 2017

Martinho Lutero


Para Alice Rosa e todos os Luteranos


"Into your hands, I command my spirit. You have saved me, Father, you faithful God."
Martinho Lutero em seu leito de morte.


Martinho Lutero nasceu em 10 de novembro de 1483, em Eisleben, na região da Turíngia, Alemanha
Martinho Lutero, assim como muitos monges da época, não concordava com a “venda do perdão” e, muito menos, com a exploração que seus conterrâneos estavam submetidos. Com isso, em outubro de 1517, Lutero afixou na porta do castelo de Wittenberg suas famosas 95 Teses. Nelas, o monge alemão, defendia a extinção das indulgências e condenava o luxo de que desfrutava o papa em Roma. Para surpresa do alto clero romano, Lutero obteve o apoio de praticamente todos os setores da sociedade alemã.
Com isso, o papa Leão X exigiu que Martinho Lutero se arrependesse e se retratasse. Como o monge  negou-se, foi excomungado (expulso da Igreja) pelo papa. Fato que levou uma série de nobres alemães a se desligarem da Igreja de Roma.
Livre das limitações teológicas a que estava submetido, Lutero passou a escrever uma série de livros e tratados onde defendia a revitalização (renascimento) da Igreja. Nestes livros, Lutero estabeleceu a Bíblia como a mais alta autoridade doutrinária da Igreja. Para ele, todas as doutrinas deveriam ter a Bíblia como fundamento.
Para Lutero, a salvação era fruto direto da fé do cristão em Deus. Ao contrário do que defendiam os católicos, para o reformador, não havia intermediários entre os homens e Deus. A salvação somente poderia ser alcançada pelo relacionamento entre o fiel e Deus.
Enquanto Igreja Católica defendia ser ela mesma a intermediária entre os homens e Deus. Lutero afirmava que a Igreja não era o caminho até o Senhor, o papel da Igreja era o de apontar o caminho até Deus. Mas, mesmo que criticasse a atuação da Igreja, Lutero defendia a existência dela, pois, o fiel necessitava fazer parte da Igreja (que era o Corpo de Cristo).o
Fonte: Marcos Emílio Ekman Faber.
Lucas Cranach, the Elder (1472–1553 and workshop. Matin Luther, 1532. Metropolitan Museum of Art, Nova York.



Lucas Cranach, the Elder (1472–1553) Elector Friederich the Wise of Saxony, 1510. Protetor de Martinho Lutero contra a inquisição.



Atribuído a Lucas Cranach, the Elder (1472–1553 Martin Luther as "Junker Jörg"  1521. Royal Collection, Londres.




Lucas Cranach, the Elder (1472–1553Matin Luther, 1526. National Museum Stockholm.


Lucas Cranach the Elde (1472–1553)  Martin Luthers Bildnis Katharina Luthers, 1526.
Katharina von Bora (1449 - 1552) conhecida com die Lutherin era esposa de Lutero e considerada uma das mais importantes colaboradoras principalmente na definição do papel da vida familiar Protestante e a introdução do casamento clérigo.


Lucas Cranach the Younger (active Wittenberg,1515 - 1586) Martin Luther and the Wittenberg Reformers, 1543.


Lucas Cranach the Younger (active Wittenberg,(1515 - 1586) Portrait of Martin Luther on his Deathbed,1546  Niedersächsisches Landesmuseum, Hannover


Lucas Cranach the Elder (1472-1553) Martin Luther Preaching, 1547. Wittenberg.



Lucas Cranach the Elder (1472-1553) Wittenberg Altarpiece, 1547.



Workshop of Lucas Cranach the Younger,  (active Wittenberg) , 1515 - 1586. Portrait of Martin Luther, 1555. Philadelphia Museum of Art.



  Lucas Cranach the Younger,  (active Wittenberg), 1515 - 1586. The Last Supper, 1565.



Frederick Kemmelmeyer (1760-1821) Portrait of a Clergyman (Martin Luther), 1788-1799. National Gallery, Londres.


Wilhelm Ferdinand Pauwels (1830 - 1904Young Martin Luther and Carolers Sing for Mrs. Cotta in Eisenach, 1872. Lutherhaus in Eisenach.

Em 1497, quando contava com quatorze anos, com o objetivo de estudar em escola melhor, ele viajou para Magdeburgo, deixando sua família. Passou a depender das dádivas de pessoas caridosas, a fim de obter o seu sustento. O colégio era gratuito, mas os alunos precisavam cuidar de sua própria alimentação. Alguns alunos mendicavam. Tendo contato com a música desde quando era bem pequeno, a opção de Lutero, entretanto, foi cantar diante das casas dos ricos para receber doações. Naquele tempo parece que esta prática era comum. Os Carolers (Kurrende, em alemão) eram os meninos estudantes que, sob a orientação de um aluno senior, moviam-se de casa em casa ou em eventos (casamentos, funerais, etc), com o propósito de cantar a fim de obter algum donativo financeiro. Lutero é tido como um modelo de um Kurrendesängers. Lutero estudou um ano em Magdeburgo e a falta de recursos obrigou-o a abandonar os estudos por algum tempo. Em 1498, quando completou quinze anos, seus pais o enviaram para Eisenach, onde passou a frequentar a Escola da Igreja de São Jorge, a fim de preparar-se para a universidade. O Mestre Trebonius e os outros professores em Eisenach eram homens distintos e contribuíram para que os três anos de Martinho ali fossem muito proveitosos.
Wilhelm Ferdinand Pauwels (1830 - 1904Luther Discovers the Bible, 1872. Wartburg Foudation.

Anton Von Werner (1843-1915) Martin Luther Before the Diet Worms, 1877. Staatsgalerie, Stuttgart. 

Julius Hübner (1806-1882) The Stop of 95 Thesis by Martin Luther, s.d. Wittemberg Lutherhaus
J


Hugo Vogel (1855-1934) Martin Luther Preached Using His Bible Translation while Imprisoned at Wartburg, 1882. 

Eugene Siberdt (1851-1931) Martin Luther Translating the Bible, Wartburg Castle, 1521, 1898
A tradução da Bíblia para a o alemão foi publicada em seis partes em 1534 com a ajuda de colaboradores como: Johanes Bugenhagen, Melanchchton, George Rörer entre outros. Isso tornou possível para uma grande parte dos alemãoes lerem diretamente o livro sagrado.

 
John Seymour Lucas (1849-1923) The Burning of Marthin Luther's Works, 1906. Coleção particular.





O grande número de obras produzidas por Cranach pai e filho deveu-se a relação de amizade dos artistas com Martinho Lutero.